Caro candidato, o investimento desse Curso será útil para toda sua vida pessoal e profissional.

É fundamental uma excelente preparação para se fazer uma boa Prova Oral!
Aguardamos seu pedido para as melhores técnicas para tornar realidade esse Grande SONHO de Vida.

VER MAIS DICAS RELACIONADAS >

ARTIGOs:

l: Posso citar Súmulas, jurisprudências, juristas?

Devo citar pensamentos de autores de livros ou nome juristas consagrados?

 

Dúvidas mais frequentes na Prova Oral.

  1. Quem são os membros da Banca?


É fundamental o candidato conhecer os examinadores, se ele possui obras jurídicas, artigos, jurisprudências, teses e sua posição a favor ou contra temas polêmicos ou controvertidos, tais como: liberação do aborto, casamento homoafetivos, adoção por casais homosexuais e outros.

Você, é óbvio, não precisa ficar adstrito aos seus posicionamentos, mas saiba que respondendo na linha de suas teses demonstrará que se interessou em conhecer seus trabalhos. Trata-se de um planejamento estratégico para não ir para a oral despreparado do que pensa o examinador a respeito de sua posição naquela pergunta.

  1. Devo citar pensamentos de autores de livros ou nome juristas consagrados?


A cautela nessas horas merece uma reflexão, quem está sendo sabatinado é você candidato e não os juristas, na maioria das vezes, a banca quer saber a sua posição. Mas, se houver mais de uma corrente divergente e você deseja demonstrar que estudou ambas, cite o nome do autor e da obra.

  1. Posso citar Súmulas, jurisprudências, leis e números de artigos?


As bancas costumam perguntar as Súmulas mais recentes dos Tribunais Superiores, daí a importância de estudá-las pelos números sem esquecer de citar se é do STF ou STJ.

Quanto as jurisprudências, considerando todos os nossos Egrégios Tribunais Estaduais, torna-se quase impossível citar a comarca, número e o nome do eminente Desembargador, daí o especial cuidado para dizer dados aleatórios que transmita a idéia de “chute”. Nesse caso, veja qual a posição majoritária dos Tribunais Superiores, STF e STJ a respeito dos Acórdãos.

No que tange aos números de artigos e de Leis você irá citá-los se forem muito conhecidos, ao nosso ver é mais precavido citar o nome da Lei ao invés do número, para evitar o equívoco de trocá-los. Exemplo: Diga: conforme a Lei do Código de Defesa e do Consumidor, o Código Nacional de Trânsito, o Estatuto da Criança e do Adolescente, a Lei da Falências, a Lei dos Crimes Hediondos e outras. Ao citar a Lei pelo nome fica mais elegante por extenso, evite abreviá-las. Por exemplo: Estatuto da Criança e do Adolescente e não ECA, simplesmente.

Quais são as principais dúvidas nas respostas?

Em primeiro lugar a sua resposta será fluente e correta se você dominar bem o assunto perguntado. Para isso há necessidade de ler, estudar e repetir diversas vezes até gravar automaticamente no subconsciente.
 

Devo cumprimentar e pedir permissão à Banca antes de sentar-me à mesa?

 

Quando o candidato sobe a escadaria do Salão Nobre para aguardar a sua hora de chamada, os examinadores da Banca e os interessados em assistir sua prova oral, todos já lhe conhecem e examinam sua postura e atitudes da cabeça aos pés. Uma sugestão: faça de contas que está sendo filmado e comporte-se com naturalidade.

Todo o corpo fala e é através de gestos, atitudes e movimentos que o candidato comunica mensagens que às vezes são inconscientes, positivas ou negativas, transmitindo ao público nervosismo, calma, timidez, insegurança, entusiasmo, confiança ou despreparo.

A primeira impressão é a que fica e é nos primeiros instantes, quando o candidato é anunciado e se dirige à mesa ou à tribuna, que notamos como aparecem os cacoetes.

Muitas vezes, sentimos que, nesse momento, o corpo fica rígido e curvado, as mãos se esfregam, o olhar se fixa no chão, no teto, enviando diversas mensagens negativas. Assim, ocorre que a mensagem corporal pode comunicar o oposto do que o candidato deseja transmitir com a linguagem verbal.

Estabeleça um ritmo para seus passos, pois pressa é sinônimo de insegurança, nervosismo e desequilíbrio emocional. Para transmitir uma postura de campeão, queixo na horizontal, imagine um fio de nylon invisível esticando a ponta dos seus cabelos ao teto. Mantenha os ombros levantados e siga até a mesa, transmitindo serenidade e naturalidade.

Devo cumprimentar e pedir permissão à Banca antes de sentar-me à mesa?

Sim, ao chegar ao lado da mesa o candidato cumprimenta o Presidente da Banca e em seguida, pede licença para sentar-se.

Pode acontecer também, da secretária que foi buscá-lo na sala de espera, conduza você até à mesa e peça para sentar-se, e ela mesma regulará a altura do microfone. Nesse caso, você cumprimentará a Presidência da Banca e em nome dele, estenda a saudação aos demais membros da Augusta Banca Examinadora.

Naqueles vinte segundos que antecedem as perguntas, aproveite para verificar a posição mais confortável da cadeira, a regulagem correta do microfone e as posições das mãos e dos pés.

Caso a cadeira seja daquelas giratórias, procure deixar os pés de tal maneira no chão, que evite o movimento do vai e vem de um lado para o outro.

 

Qual o posicionamento das minhas mãos durante a Prova Oral?

Posso usar anel, aliança, relógio, brinco, pulseira e correntinhas?

 

Qual o posicionamento das minhas mãos?

As mãos são meridianos do pensamento e ficam muito agitadas no início da apresentação, daí a importância delas ficarem em cima da mesa e não sobre as coxas.

A sugestão é apoiar o antebraço sobre a mesa, evitando se debruçar sobre os cotovelos.   As mãos poderão ficar de várias maneiras elegantes como: uma sobreposta à outra, dedos cruzados ou ainda, naturalmente com as palmas viradas sobre a outra.

Os movimentos nos primeiros instantes devem ser tranquilos, aquecendo os gestos aos poucos, com naturalidade, e em sintonia com as palavras e com a tonalidade da voz.

Acalme suas pernas, controlando movimentos de abrir e fechar e, também, de balançar a ponta dos sapatos nervosamente, despertando e desviando a atenção dos examinadores.

No caso de falar sentado, sente-se confortavelmente, encostando as costas na cadeira, mantendo o queixo na posição horizontal, o olhar sempre voltado ao público e as mãos gesticulando com naturalidade.

Posso usar anel, aliança, relógio, brinco, pulseira e correntinhas?

Não existe proibição expressa, mas lembre-se: o tato é um dos sentidos mais fortes que temos e as mãos ansiosas ao encontrar um desses acessórios, certamente irá se divertir, transmitindo cenas engraçadíssimas e às vezes, indecorosas. O relógio e a pulseira provocam ruídos desagradáveis quando tocam à mesa. A nossa sugestão é: não use nada de extravagante que possa chamar a atenção dos Examinadores.

Quanto aos brincos para as mulheres é recomendado aqueles pequenos e delicados, os brincos grandes tipo argolas balançam muito com o movimento da cabeça, chamando a atenção de todos os membros da Banca.

Aos candidatos homens não combinam o uso de brinco e piercing. Lembre-se que os órgãos jurídicos examinadores são conservadores.

 
 

 

 

Projete sempre uma imagem positiva e sóbria.

A imagem deverá estar em harmonia com a mensagem que você deseja transmitir durante sua apresentação.

Como já vimos, a primeira impressão é a que permanece na mente do público. Uma imagem simpática e natural aproxima o candidato à Banca. Já uma imagem negativa, nervosa, tensa, desastrada, dificulta o entendimento e distancia a comunicação entre ambos.

O ser humano não é lógico, ele é psicológico, e logo nos primeiros contatos só consegue analisar a imagem que você transmitiu.

Não demonstre timidez, porque ela poderá lhe atrapalhar sua apresentação, passando insegurança aos ouvintes e dificultando a interação com o auditório.

O semblante alegre e natural é o melhor caminho para conquistar os participantes; o semblante fechado dificulta a conexão com eles.

Um dos grandes problemas no início da apresentação são as mãos: temos a sensação de que elas começam a crescer e não sabemos onde colocá-las.

Como devo me comportar na sala de espera, antes de me dirigir para a Prova Oral?

Lembre-se, ainda: nos primeiros instantes antes da Oral, aperte uma mão contra a outra, inspire pelo nariz e solte a respiração pela boca, fazendo pressão nos lábios, levante-se com entusiasmo e caminhe elegantemente, com postura de campeão até à mesa.

Não perca essa oportunidade de passar essa primeira Boa Impressão à Banca Examinadora.

Boa Sorte!

www.AcacioGarcia.com.br
 

 

 

Essa pergunta sempre é feita em nossos cursos preparatórios à Oral para a Magistratura, Ministério Público, AGU, Delegados de Polícia, Cartorários e outros Concursos às Carreiras Jurídicas.

São duas Provas completamente distintas.

Os candidatos que lograram êxito na Prova Preambular e na Dissertação devem se preparar para a Oral, para não terem surpresas desagradáveis.

É ledo engano pensar que na prova Oral as respostas são idênticas às da Escrita.

Alguns candidatos que alcançaram as primeiras colocações nas Provas Escritas tiveram decepções na Oral, e abaixaram consideravelmente suas classificações. Outros infelizmente, ficaram tão nervosos, esqueceram tudo o que sabiam e foram reprovados.

E... começar tudo de novo... Não é fácil!

- Não é verdade candidato?

Recomendamos se preparar com antecedência com cursos especializados na Oral que abranjam as técnicas da Oratória, Equilíbrio Emocional, Gestos e Postura e o Conhecimento Jurídico. Se possível, esses cursos preparatórios à Oral devem usar as filmagens com posterior FEEDBACK do que necessita ser corrigido nas apresentações dos Candidatos .

As Provas Escritas em alguns Estados da Federação dividem-se em Preambular, Discursiva (às vezes em formas de respostas escritas ou dissertações com Sentenças ou Pareceres Jurídicos ).

Nessas Provas Escritas as respostas são mais completas, o Candidato tem tempo para pensar o que vai escrever, pode até corrigir e retificá-la se necessário. Em outras palavras, elas são mais elaboradas do que na Oral.

Na Prova Oral, a ansiedade, o nervosismo, o vermelhidão, a gagueira emocional, a taquicardia e o famoso BRANCO, dificultam a sua naturalidade e as respostas saem trêmulas, inseguras e às vezes nem saem, perdem-se numa confusão infernal.

Na Oral você candidato está enfrentando o maior Medo da humanidade: o Medo de Falar em Público. E, esse Pavor ou Pânico se agiganta porque o público é formado por ilustres examinadores que conhecem profundamente o assunto jurídico perguntado.

A princípio se você nunca treinou a estudar em voz alta, não vai ter a noção do seu tom da voz e poderá ficar mudo, esquecendo de conceitos simples que se fosse numa situação normal, responderia com muita propriedade e convencimento.

A Prova Oral é diferente em todos os sentidos da Prova Escrita, nela os examinadores da augusta Banca, examinam o todo: Oratória, Gestos e Postura, Calma, Tranquilidade, Equilíbrio emocional, a alternância do Tom da Voz e sobretudo, as respostas completas às Perguntas Jurídicas.

Se a Banca perceber que você está muito nervoso e desequilibrado psicologicamente poderá conduzi-lo a respostas incorretas e você semelhante a uma inocente mosca, cairá na teia de aranha, respondendo equivocadamente ou ainda, “chutando”, o que é pior.

Concluindo: As respostas na Oral para Juiz, Promotor de Justiça, Procurador Federal, Delegado de Polícia e outras carreiras jurídicas, são diferentes da Prova Escrita. Não vá para a Oral pensando que vai agir como fez na dissertação, que você pode encontrar dificuldades e abaixar a sua classificação no certame à Carreira que tanto sonha.

Participe de um Curso Preparatório à Oral e faça a diferença na classificação de sua carreira.

Dê uma olhada nos depoimentos de nossos ex-alunos (Juízes, Promotores, Procuradores de Estado), hoje empossados, no Site: www.AcacioGarcia.com.br   e saiba qual a diferença em ir para a Oral, após treinar nos simulados preparatórios às áreas jurídicas.

Uma ótima Prova Oral!
Prova de Tribuna Ministério Público

Nos Concursos para Promotor de Justiça na maioria dos estados brasileiros, exige-se a Prova de Tribuna, antecedente à Prova Oral.

Essa prova tem por objetivo analisar a capacidade do candidato ao Ministério Público no que tange o uso da tribuna, bem como sua capacidade de oratória, postura e seu conhecimento jurídico discorrendo sobre um tema sorteado pelos examinadores.

Em alguns Estados brasileiros o tema é sorteado vinte e quatro horas antes da prova, ao passo que, em outros, o sorteio é feito uma hora antes.

Em geral, o tempo de duração de cada apresentação oscila entre dez e vinte minutos, variando de Estado para Estado.

Realizando uma excelente apresentação nessa Prova, eleva sua confiança e autoestima para enfrentar a Oral.

Sabe-se que a tribuna é o símbolo sagrado do orador. Portanto, candidato, tão logo você for convidado a apresentar o seu tema, dirija-se a ela incorporando uma elegante postura de orador.

Ao iniciar sua apresentação, as mãos podem apoiar-se sobre ela e, na sequência, aconselha-se liberá-las para os necessários primeiros gestos, que valorizam 55% a apresentação, ao revelarem-se finos, calmos, porém firmes. Evite segurar objetos nas mãos como lápis, canetas e outros, uma vez que chamam a atenção da Banca, e fazem com que transpareça um desagradável visual.

Além disso, a mão que se desloca para fora da tribuna, deve fazer o retorno com naturalidade.

Devido ao nervosismo, comumente o candidato tamborila nas bordas da tribuna ou ainda, segura-as com tamanha força que parece encontrarem-se soldadas.

Procure permanecer ereto sobre as duas pernas, imaginando um fio de NYLON invisível esticado da ponta de seus cabelos até o teto. Se você se apoiar sobre uma das pernas, inverterá a posição das clavículas, passando à Banca Examinadora, uma postura do “Corcunda de Notre Dame”.

Em alguns Estados é permitido a consulta a breves anotações, para tanto o candidato poderá levá-las à tribuna, porém lembre-se de não fixar o olhar nelas por um tempo demasiado longo.

Fale com desenvoltura, imprimindo a alternância da voz em conformidade com sua fala. No ponto final, lembre-se de realizar uma pausa de um segundo entre uma frase e outra. Isso tem por finalidade encher os pulmões de ar, ação que concede um excelente ritmo a sua apresentação, embelezando a compreensão do tema exposto.

Se a sua fala for treinada sempre em voz baixa ou silenciosa, resultará na ausente familiaridade de escuta, fator que gera dificuldade e estranheza durante a prova real.

O tempo determinado pela Banca poderá ser calculado por um cronômetro e, para tanto, recomendamos o uso da filmadora, que além de marcar o tempo do ensaio, também grava a sua postura, gestos e voz, os quais poderão ser corrigidos em seguida.

E mais, prepare vários temas diferentes nos dias antecedentes à Prova de Tribuna e, no momento da apresentação , exprima-se dirigindo seu olhar a todos os membros da comissão examinadora.

Siga as regras da Oratória:

  • Saudação

  • Tema sorteado

  • Fase expositiva ou fundamentação

  • Fase de encerramento


Aconselhamos a participar de um Curso Prático Preparatório à Prova de Tribuna no SITE: AcacioGarcia.com.br
 

Psicotécnico à concursos jurídicos

 

Antes da Prova Oral você fará o Exame Psicotécnico e a Entrevista, essas duas Provas vão examinar a sua personalidade e o seu equilíbrio emocional.

A calma e a tranquilidade aliada ao bom senso são dois aliados que ajudarão consideravelmente.

Um futuro Magistrado não pode ser radical e muito menos pessimista ao extremo.

Exemplo: você recebeu uma figura com borrões e responde na observação solicitada que no seu ponto de vista aquela figura representa um desastre ou um crime de estupro... em outras palavras, algo que demonstre um total desatino.

Observe o mundo pelo lado mais simples e mais bonito.

Alguns estados brasileiros fazem a ENTREVISTA com os candidatos à Magistratura e ao Ministério Público antes da Prova Oral.

Essa Prova é muito importante para esses Órgãos, pois é nessa Entrevista que eles poderão saber como é o temperamento e o equilíbrio psicológico de cada candidato.

Embora seja uma prova simples, o nervosismo como é normal, aparece e o candidato pode se atrapalhar nas respostas.

“As palavras e as ideias são como flechas, depois de arremessadas não voltam jamais”.

O importante na Entrevista é estar relaxado, calmo e de bem com a vida.

Na teoria o que estamos falando é fácil, porém, na prática, às vésperas de uma Prova Oral, o sangue está correndo a mil pelas veias. Não é verdade candidato?

Como é que devo agir para ficar calmo e relaxado antes de uma ENTREVISTA?

O órgão mais importante nessas ocasiões é o cérebro, ele liga a tua alma ao teu corpo. E é ele que vai transmitir as tuas respostas às perguntas da banca examinadora. Quanto mais flexível estiver o teu cérebro, melhor será a tua entrevista.

É interessante saber que o cérebro possui aproximadamente cerca de cem a duzentos bilhões de neurônios, células altamente especializadas e que obedecem às palavras.

Outro detalhe interessante é que ele ocupa de um a dois por cento do tamanho do corpo e em contrapartida, consome 25% do oxigênio de todo o corpo. E, quando aparece uma situação como a da entrevista para a prova oral, a glândula supra-renal libera uma pequena quantidade de adrenalina que percorre toda corrente sanguínea, ocasionando situações desagradáveis como: tensão, nervosismo, taquicardia, vermelhidão e especialmente o famoso “BRANCO”.

Como faço para eliminar o nervosismo antes da entrevista para a Oral?

- Use a seguinte técnica!

- Ao acordar, lá no banheiro, olhe para o espelho e busque um sorriso e logo depois um riso. Se você tentar três a quatro vezes, vai acabar rindo, mesmo que não esteja com a mínima vontade. (quando você ri, você fabrica endorfina e ela é o hormônio da felicidade, da alegria, das coisas boas e da excelente prova oral)

Só você poderá transformar esse dia, num dia lindo. Transforme-o!

Pode ter certeza, que se você amanhecer de mau-humor, “azedo”, o teu dia e a preparação para a entrevista da Oral, será difícil e atrapalhará à naturalidade nas respostas e nas coordenações das ideias.

- Em seguida, ainda em frente do espelho, solte o famoso “HÀ!!!”, “HÁ!!!”.

O “HÁ” com o som de “RRá”, tem que sair lá do umbigo, em tom alto pela boca, como se você estivesse expulsando as coisas ruins: tristeza, desânimo, nervosismo, timidez, mágoa, raiva, pensamentos negativos, sentimentos de culpa e outras coisinhas parecidas.

- Incorpore uma postura de vencedor! – Isto é, posição reta, sobre as duas pernas, imagine um fio invisível esticando das pontas do seus cabelos até o teto. Um outro fio imaginário do ombro direito à parede direita e outro do ombro esquerdo à parede esquerda.

- Levante os braços, inspirando pelas narinas, segure uns três segundos o ar no cérebro, e solte pela boca, fazendo pressão nos lábios; repita outra vez, com um sorriso no rosto, e você observará que estará mais calmo.

- Aperte a sua mão forte (a mão que você usa no dia-a-dia para escrever) e diga em voz alta: “Sou inteligente e sou capaz! Eu sei, Eu quero, Eu posso, Eu Faço! – Hoje será o dia mais lindo da minha vida! Ou: Hoje será a melhor entrevista da minha vida! – Ninguém melhor do que eu para dar uma excelente entrevista! – Eu quero me parabenizar de estar da Prova Oral! - Parabéns Campeão!”

Outra técnica que deve ser usada diariamente é a respiração pelo diafragma.

Ao inspirar pelas narinas, infle o abdômen. Ao expelir o ar pela boca, recolha o abdômen, como se o umbigo encostasse nas costas.

Qual a razão dessa técnica antes de uma entrevista ou de uma prova oral?

- Com a ansiedade e o nervosismo, a adrenalina que corre na corrente sanguínea, forma focos de dores e os 25% do oxigênio do cérebro saem em socorro às partes afetadas pelo medo da prova. Daí, a importância de reabastecer o cérebro de oxigênio novamente.

Em outras palavras, o cérebro flexível e oxigenado funciona bem, por outro lado, ele nervoso e fechado, trava e o candidato troca as respostas e fala coisas sem sentido e desequilibrado.

Crie o hábito de respirar pelo diafragma corretamente, todas as vezes que estiver nervoso ou prestes a uma prova para concurso. Lembre-se: ao inspirar pelas narinas, esboce um sorriso de 3 a 4 segundos, depois solte o ar pela boca, fazendo pressão nos lábios.

Na Entrevista o que os examinadores realmente analisam é a sua capacidade de pensar, sentir, interagir e agir diante de situações ou perguntas indiscretas, “saias justas” ou ainda, que necessitam de FEELING e/ou jogo de cintura, próprias de um futuro magistrado ou promotor de justiça, diante de fatos ou acontecimentos semelhantes.

Como devem ser as respostas?

- Use o bom senso!

- Evite o radicalismo!

- Nas respostas, imagine como se você fosse Juiz ou Promotor.

- Embase suas respostas e seus conceitos usando a razão e não a emoção face as perguntas.

Vamos lá!   - aperte uma mão à outra, respire, solte o ar pela boca com um leve sorriso e responda as seguintes perguntas:

  1. Por que o candidato (a) quer ser Juiz de Direito ou Promotor de Justiça?

  2. O Candidato(a) está inscrito também para outros concursos?

  3. Se for aprovado nesse concurso, fará ou continuará as provas do concurso para outra área?

  4. Vossa Senhoria se acha em condições de exercer tal cargo?

  5. É casado? Tem filhos? Qual o impacto de sua aprovação em sua vida pessoal e familiar?

  6. Vossa Senhoria sabe quanto é o salário? – Acha compatível com a posição que ocupa?

  7. O Candidato (a) é a favor da greve no serviço público?

  8. O que acha da adoção por casais GAYS?

  9. Participaria de uma greve por melhores salários, se toda a sua Instituição lhe convidasse?

  10. O Candidato(a) testemunharia em favor de um agente público acusado de corrupção?

  11. Se Vossa Senhoria desentendesse com o (Juiz/Promotor) da comarca ou da vara na qual atua, como procederia?

  12. Se o Candidato(a) percebesse que o seu chefe direto está sendo omisso no cumprimento de seu dever, o que faria?

  13. Qual a posição do candidato, quanto à liberação do aborto?

  14. A CF fala na união estável entre homem e mulher. Qual a sua opinião ao reconhecimento da união estável entre pessoas do mesmo sexo (STF) ?

  15. O candidato (a) numa comarca pequena, sairia para correr ou caminhar com roupas esportivas (short, cação e sem camisa)?

  16. O Candidato (a) beberia uma cerveja ou bebida alcoólica num boteco popular?

  17. Vossa Senhoria levará processos para analisar em casa?

  18. Qual é a primeira coisa que o Candidato fará quando chegar a comarca?

  19. Vossa Senhoria em alta velocidade é parado pela Polícia e convidado para fazer o exame de bafômetro. Aceitaria?

  20. Qual a sua opinião sobre o sexo antes do casamento?


 

 

Se o Candidato estiver às vésperas de uma Entrevista para a Prova Oral, participe do treinamento Simulado, que ajudará a pensar e a responder o conceito adequado à futura carreira jurídica que aspira assumir.

Lembre-se: Uma pergunta na Entrevista com uma resposta completamente radical ou fora dos limites que sua futura profissão incrimina, pode ser o motivo de uma eliminação na ORAL.

Imagina você respondendo:

Exemplo: “O Candidato participaria da marcha pela liberação da Maconha?”

“Excelência, não só participaria da marcha, como já fiz uso dessa droga e de outras, que também sou a favor dessa tão almejada liberação. No meu ponto de vista o cigarro comum, prejudica mais a saúde do que ela”.

Candidato, com toda certeza, não seria uma resposta adequada. Não é verdade?

Desta forma, vá para a entrevista, com calma, serenidade e com as técnicas de usar a respiração diafragmática para relaxar a mente humana e saber o que está respondendo.

Sucesso! E uma ótima Entrevista!

Acácio Moraes Garcia

Especialista no Treinamento para Prova Oral

www.AcacioGarcia.com.br

(48) 3225 2337 – 9981 0770

Acacio@acaciogarcia.com.br
 

Quando um candidato é classificado para a Prova Oral ao Ministério Público pode se considerar um vitorioso. Faça um retrospecto dos milhares que se inscreveram com você e veja quantos estão habilitados à Oral, talvez um pouco mais de trinta apaixonados por essa linda carreira jurídica.

As provas objetivas que antecederam foram difíceis e necessitaram muito estudo nas diversas áreas solicitadas pelo Edital, todavia, as próximas que se aproximam ( Oral, Tribuna e Entrevista) pedem muita preparação psicológica, jurídica e oratória.

Quando falamos da prova oral, ou da arte de expressar uma ideia ou um conhecimento à Banca Examinadora, os conceitos do certame jurídico se modificam e uma improvisação sem ensaio poderá prejudicar toda uma árdua caminhada.

Nas Provas que antecederam você tinha a oportunidade e tempo de modificar a letra do gabarito ou de mudar a tese, já na oral, tribuna e na entrevista, depois que você iniciou a definição do conceito, voltar para retificar a resposta, ocasiona um certo nervosismo e a ansiedade aliada a falta de técnica, passará insegurança e despreparo emocional aos examinadores.

Nos nossos simulados cada participante aprende as técnicas basilares do equilíbrio emocional, da respiração adequada para a fala e principalmente, como se comportar quando o assunto é desconhecido ou ocorreu o famoso BRANCO sobre àquela pergunta difícil.

No Simulado tentamos ensaiar o máximo semelhante às perguntas da entrevista, a tese da tribuna e ainda, uma bateria com mais de 2.000 perguntas jurídicas realizadas nas orais por todo o país.

Assim como na oratória o que interessa são os ensaios repetidos para uma ótima apresentação em público, no Curso Preparatório a Oral, Entrevista e Tribuna, cada participante passará por aproximadamente seis simulados, gravados e corrigidos.

Além disso, cada candidato será submetido às perguntas hostis e dúbias, aonde conduziremos a um raciocínio diferente da resposta correta para checarmos sua habilidade e o equilíbrio emocional de focar na resposta completa e adequada à tese jurídica perquirida.

O nosso foco principal é transmitirmos as técnicas de como agir com naturalidade e buscar o equilíbrio emocional nas situações difíceis, bem como, falar com uma dicção clara e fluente, eliminando os famosos e intragáveis vícios de linguagens: "Né...Tá...Daí...Éh...Ih...Certo...è quando...assim ó...a gente...eu acho...e outros".

A cada um dos seis simulados individuais haverá um FEEDBACK das respostas completas, do comportamento de suas expressões faciais, da postura, oratória e gestos adequados para cada candidato.

É muito importante esses seis simulados que antecedem a oral, tribuna e entrevista, para que você saiba como modular a altura de sua voz e a noção do peso de cada uma de suas respostas, se você nunca escutou sua voz, como é que vai saber a altura que irá falar?

O uso do microfone, a posição elegante na tribuna e as respostas de cunho individual na entrevista serão ensaiados corretamente e assistidos posteriormente, com as correções de praxe.

Você assistirá a gravação de suas apresentações, bem como, às de seus colegas e ainda, participará da banca examinadora simulada, aonde formulará perguntas aos colegas, treinando a postação e alternâcia da voz, orientado por um professor de oratória.

Cada candidatos irá receber os livros dos treinamentos, a apostila da oral, o DVD das seis filmagens dos simulados e o Certificado registrado pela Secretaria de Educação de Santa Catarina.

Os depoimentos dos nossos ex-alunos do Curso Preparatório à Prova Oral, hoje Promotores de Justiça, são unânimes na afirmação de que, se não fossem os ensaios nos simulados, os resultados poderiam ter sido diferentes na aprovação.

Participar do simulado é interagir, aprender e repassar inúmeros conceitos esquecidos, acrescentado de um novo aprendizado ensinado pelas apresentações dos colegas candidatos.

Outro detalhe importante é saber a técnica adequada para eliminar o nervosismo, a taquicardia, a sudorese, a gagueira emocional, o vermelhidão e o famoso branco nas respostas às vezes fáceis.

Como você pode observar nesse simples artigo, ensaiar o que vai ser dito na Oral é o princípio básico para transmitir calma, tranquilidade, equilíbrio emocional e muito conhecimento jurídico à augusta Banca Examinadora, que certamente torcerá para ter entre seus ilustres membros, um representante do PARKET a altura dessa renomada Instituição.

Uma excelente Prova Oral acompanhada de um Show na Tribuna e de uma Entrevista com respostas adequadas e coerentes com a sua maneira de pensar, sentir e agir.

Um Fraternal Abraço!

Acácio Garcia
 

É uma realidade que os concursos jurídicos nos dias atuais necessitam de mais técnicas que os anteriores, sem descartar muita dedicação e estudo das disciplinas ínsitas no edital.

Especialmente, se o certame exigir a temida Prova Oral, acompanhada às vezes da Entrevista e Prova de Tribuna, para o Ministério Público.

Como na oral o concurseiro fica exposto à ansiedade, nervosismo, taquicardia e aos 'brancos de memória', essas adversidades atrapalham o bom andamento do desfecho do concurso, obrigando-se assim, aos ensaios práticos, através dos simulados da Prova Oral.

Os Simulados da Prova Oral ministrados pelo Dr. Acácio Garcia vem demonstrando a cada dia, através dos depoimentos dos aprovados para Juiz Federal, Trabalhista e de Direito, Procurador da República, Promotor de Justiça e outros, que estamos no caminho certo das aprovações.

O nível de aprovação na Prova Oral é superior a 98% porque nos Simulados ensaiamos todos os passos da preparação psicológica, oratória, naturalidade no semblante, relaxamento, gestos e postura adequados ao candidato às carreiras jurídicas e sobretudo, uma bateria de cinco mil perguntas direcionadas a oral de cada instituição.

O Dr. Acácio Garcia entrelaçou as técnicas de oratória, psicologia, neuropsicopedagogia, neurolinguística, motivação e relaxamento em alfa, para proporcionar aos concurseiros na Prova Oral, as ferramentas necessárias para absorver, acalmar e amortecer as turbulências passageira que possam acontecer durante o certame oral.

No Simulado da Prova Oral cada candidato além da teoria básica, passará posteriormente, pela prática filmada e o posterior FEEDBACK completo da postura, gestos, dicção, pausa, clareza e firmeza nas respostas.

Cada candidato passará por seis simulados diferentes que irão aumentado os graus de dificuldades à medida que vai se familiarizando com as técnicas da Oral. Caso o Concurseiro seja candidato ao Ministério Público, MPT e MPF, treinaremos também, a Prova de Tribuna e a Entrevista Pessoal.

Além disso, cada candidato será submetido às perguntas hostis e dúbias, aonde conduziremos a um raciocínio diferente da resposta correta para checarmos sua habilidade e o equilíbrio emocional de focar na resposta completa e adequada à tese jurídica perquirida.

O nosso foco principal é transmitirmos as técnicas de como agir com naturalidade e buscar o equilíbrio emocional nas situações difíceis, bem como, falar com uma dicção clara e fluente, eliminando os famosos e intragáveis vícios de linguagens: "Né...Tá...Daí...Éh...Ih...Certo...è quando...assim ó...a gente...eu acho...e outros".

É muito importante esses seis simulados que antecedem a oral, tribuna e entrevista, para que você saiba como modular a altura de sua voz e a noção do peso de cada uma de suas respostas, se você nunca escutou sua voz, como é que vai saber a altura que irá falar?

O uso do microfone, a posição elegante na tribuna e as respostas de cunho individual na entrevista serão ensaiados corretamente e assistidos posteriormente, com as correções de praxe.

Você assistirá a gravação de suas apresentações, bem como, às de seus colegas e ainda, participará da banca examinadora simulada, aonde formulará perguntas aos colegas, treinando a impostação e alternância da voz, orientado por um professor de oratória.

Os depoimentos dos nossos ex-alunos do Curso Preparatório à Prova Oral, hoje Promotores de Justiça e Juízes são unânimes na afirmação de que, se não fossem os ensaios nos simulados, os resultados poderiam ter sido diferentes na aprovação.

Participar do simulado é interagir, aprender e repassar inúmeros conceitos esquecidos, acrescentado de um novo aprendizado ensinado pelas apresentações dos colegas candidatos.

Caro Concurseiro, se você chegou na Oral, não permita que este sonho de se tornar Magistrado ou Promotor de Justiça se escorra pelos ralos, estude e participe do Simulado prático para a Prova Oral com o Dr. Acácio Garcia e colha os frutos de um sucesso programado.

O Dr. Acácio Garcia é Procurador Federal aposentado, mestre em Oratória, especialização em Neuropsicopedagogia e terapêuta motivacional.

Assista os depoimentos dos aprovados às carreiras jurídicas por todo Brasil no SITE: www.AcacioGarcia.com.br e tenha a certeza que o seu sonho de tomar Posse como Magistrado ou Promotor de Justiça poderá se tornar uma realidade.
Curso Telepresencial Prova Oral Ministério Público e Magistratura

 

Caro Concurseiro,

Você já conta com uma nova modalidade de treinamento para a Oral às Carreiras Jurídicas, o Curso TELEPRESENCIAL em sua casa.

Dr. Acácio Garcia, Procurador Federal, diretor do IMCEV - Instituto Motivacional de Criatividade e Expressão Verbal, é Mestre em Oratória, Especialista em Neuropsicopedagogia, Escola Superior da Magistratura de de SC, está atendendo aos candidatos que estão na Prova Oral às Carreiras Jurídicas através de Cursos Telepresenciais e Teleconferências simuladas da Oral.

Esse curso, é óbvio, não tem a mesma força prática do nosso Curso presencial para Entrevista e Prova de Tribuna, Todavia, socorre àqueles Concurseiros que não tem tempo para participar dos cursos práticos (presenciais) simulados da prova Oral.

As vantagens e benefícios do Curso Telepresencial está na economia de tempo e despesas nos deslocamentos às cidades onde ocorrem os presenciais. Porém, a metodologia é a mesma. O Candidato passará por simulados com teoria, técnicas de postura, gestos, dicção e uma sabatina de Perguntas com respostas da Oral.

Ao participar do Curso Simulado presencial, você receberá também, o DVD teórico das técnicas e o Livro para a preparação da Prova Oral do Dr. Acácio Moraes Garcia.

Caro Concurseiro, caso você não tenha tempo de participar do Curso Prático, use o Plano B, ou seja, o Simulado TELEPRESENCIAL o qual será de grande utilidade para que sua apresentação seja natural e adequada à aprovação nesse Certame tão concorrido.

Peças mais informações pelos fones: (48) 3225 2337 ou (48) 9914 3689

contato@AcacioGarcia.com.br

 
Excelentíssimo Senhor Doutor Promotor de Justiça Presidente da Banca Examinadora do Concurso Número... Cumprimentando Vossa Excelência, estendo os cumprimentos a todos os ilustre Membros dessa Augusta Banca.

Eu sou Fulano de Tal, Candidato a vaga para Promotor de Justiça Substituto do Estado de......

 

Coube-me hoje no sorteio falar sobre um tema muito importante no Júri brasileiro:

 

 

LIMITES ÉTICOS NA PERSUASÃO DOS JURADOS

O ponto culminante do procedimento dos delitos dolosos contra a vida é, sem dúvida, o julgamento pelo Tribunal do Júri.

Para seus defensores, o júri é a garantia democrática do indivíduo, em determinados crimes, ser julgado por seus concidadãos, acima das normas inflexíveis da lei. Entendem que a sociedade é representada por membros de ilibada idoneidade, que procura restabelecer o equilíbrio quebrado pela ofensa ao direito. Afirmam que o júri, julgando o criminoso e não o crime, não está adstrito ao critério legal e às prevenções profissionais, é capaz de humanizar a lei e melhor discernir sobre os réus merecedores de pena. Por fim, sustentam que a verdade proclamada por sete cidadãos é mais segura que a proclamada por apenas um. A este respeito Canelutti formulou a seguinte metáfora: “O juízo colegiado é comparado a uma visão binocular: se a natureza nos dotou de dois olhos, em lugar de um só, é porque uma única imagem não basta para que seja visto o que deve ser completamente visto e o que devemos ver”.

Para outros, certo é que o Júri, nos seus primórdios, foi um respiradouro às reinvindicações populares, suprimindo o julgamento dos acusados pelos juízes togados, integrantes da nobreza que desapareceram depois que os ditos juízes passaram a vir do povo. Afirmam, no entanto, que a justiça comtemporânea assumiu feições que está a exigir pessoas especializadas e de alto espírito crítico, deixando-se os juízes leigos demasiadamente a julgar pelo sentimentalismo, para deixarem impunes os mais graves crimes. Acrescentam que, a julgar pelos resultados alcançados em outros países, o júri somente aprova quando existem condições favoráveis para uma democracia direta, o que não existe no Brasil devido à condição geográfica, ao baixo nível cultural, à baixa moralidade, à falta de educação cívica e ao desinteresse pela coisa pública.

Essa corrente foi capitaneada por Nelson Hungria, para o qual “O famigerado Tribunal do Júri, osso de megatério que persiste em ligar repressão penal e regime democrático, redundou pela sua incompetência e frouxidão, em favor indireto da criminalidade”.

Para opositores ou defensores dessa instituição, no entanto, é certo que nela os debates provocam as mais desencontradas paixões.

A cumulação na instrução em Plenário e nos debates, dos sistemas da concentração, oralidade e imediatidade oferecem condições especiais de expressividade às provas produzidas durante o processo.

Na dialética desse momento, o debatedor vale-se de duas contigências que, mesmo separáveis, no mais das vezes são apresentadas juntas:

  1. a) O discurso, como manifestação oral persuasiva, utilização da retórica, da “conversa amiga, macia”, da contundência ordinatória, do apelo emocional, etc.

  2. b) A interpretação cênica, mímica, teatral, irreverente, gesticular.


A importância deste desempenho está em alcançar os limites da verdade possível, extraída dos elementos autuados ou, do plano sociológico, filosófico, antropológico de elementos não necessariamente contidos no processo. É a interpretação oral ou cênica de tudo que pudesse ter animado o fato e tem a finalidade maior de ampliar imaginariamente os detalhes da hipótese defendida.

E é justamente essa representação em plenário, feita pelo Promotor de Justiça e pelo Advogado de defesa, com seus poderes informativos, que possui poder persuasivo sobre os jurados, induzindo-os a projetarem-se mentalmente à situação de violência do caso concreto para que possam avaliar a conduta do agente nas circunstâncias em que agiu.

O importante é identificar no ato violento contra a vida a censura ou aprovação da conduta do agente, com a mais ampla visão fática, pois o Júri não está adstrito ao alegado e provado nos autos, nem à estreiteza dos textos, e não seria Júri se deixasse de sentir o conjunto das realidades individuais e sociais atinente ao caso concreto. Por todas essas razões, necessário é que se imponham limites éticos à atuação em plenário por parte dos debatedores, de forma a não afastar os princípios constitucionais e legais atinente ao processo criminal.

O Tribunal do Júri não pode ser apresentado como um espetáculo burlesco, de guerra entre o bem e o mal, como se o Promotor de Justiça personificasse um acusador intransigente, que quer prender o réu, tira-lo do convívio de sua família e transferi-lo para o Presídio; e o Advogado de Defesa caricaturado como figura do bem e do perdão, sempre pugnando pela liberdade de todos os acusados.

O plenário do Júri não é local para gritos, choros, simulação de desmaios, piadas ou xingamentos, pois desvirtuam a função de socialização e democratização de Justiça atribuída ao Conselho Popular, que deve se aproximar ao máximo da verdade dos fatos para que possa aprovar ou reprovar a conduta ilícita que lhes é posta para exame e deliberação, pois julgam segundo a sua consciência e os ditames da justiça, fazendo a lei para cada caso.

Assim, dentro de uma representação destinada a informar o jurado, pode-se fazer apelo tanto à sugestão afetiva quanto à persuasão puramente racional, mas sempre dentro de determinados limites éticos, tanto da parte acusatória, como da defensora. É que um julgamento feito pelo Tribunal do Júri, ao contrário do que muitos pensam, não é loteria. Depende, sim, de algumas peripécias, mas deve ser o seguro resultado de uma conduta bem planejada e executada com rigor, desde a fase do inquérito policial até o plenário do Júri.

O Júri não é uma aventura a que se atrevam os que se distingüem somente pela audácia e sede de fama, é tarefa destinada aos mais aptos, aos mais preparados e conscientes, que tenham as qualidades mínimas necessárias à magnitude da atividade, e que não ponham em risco a liberdade do réu ou a segurança da sociedade tão-somente para a satisfação de vaidades mal disfarçadas.

A advertência se impõe: acusadores e defensores só terão a perder com divagações impertinentes, hipérboles vazias ou embustes patéticos.

O acusador, por decoro próprio e, sobretudo, por obrigação estrita, jamais deverá injuriar o réu, ou por qualquer forma olvidar-se do respeito devido ao Tribunal. Pelo contrário, refletido e moderado, embora enérgico em sua argumentação, deve produzir a acusação sem cólera, sem arrebatamento, sem exageração. Jamais deve o acusador dirigir-se ao acusado, e sim ao Júri, expondo os fatos e as circunstâncias, estes sim, com toda pujança e eloqüência.

O defensor, exímio tribuno de defesa, do mesmo modo, deve apresentar seus argumentos dentro de um plano previamente traçado, de acordo com uma linguagem fluente e clara, sem rodeios e tiradas literárias, ferindo os pontos em debate. O discurso do causídico há de ser simples, objetivo, convincente. Isso não quer dizer vulgaridade, que seria o contrário do preciosismo.

Na esteira dessas afirmações, não se quer criticar a instituição, que deve persistir, mas tão-só alertar que a atividade do debatedor em plenário, por envolver interpretação informativa, persuasiva, indutora, perfeitamente adequada e necessária ao Tribunal do Júri, deve pautar-se pela obediência aos princípios éticos e as provas colhidas durante a instrução criminal.

O orador deve empenhar-se em persuadir de que está certo e de que sua tese deve ser vencedora, usando linguagem intelegível para que, efetivamente, a “transformação” do jurado seja “conseqüência de sua fala”, mas usando de seu poder de persuasão deve ter cuidados com a teatralização, para que não decaia ao nível de um espetáculo burlesco, nem à linguagem deficiente ou vulgar a ponto de prejudicar a substância do bom senso.

Conjugada a arte de persuadir com a ética, manter-se-á a dignidade do Tribunal do Júri, o respeito aos cidadãos-jurados e a justiça ao réu.

Ganha, pois, a sociedade(Grupo de Estudos do MP/SC)

 
  • Dúvidas mais frequentes na Prova Oral Posso citar Súmulas, jurisprudências, juristas?ArtigosProva OralSimulados
  • Qual o meu comportamento antes de ser chamado para a mesa da Oral? Qual o posicionamento das minhas mãos durante a Prova Oral? ArtigosProva OralSimulados
  • Qual a imagem que devo transmitir à Banca? Como devo me comportar na sala de espera, antes de me dirigir para a Prova Oral?ArtigosProva OralSimulados
  • As respostas na Prova Oral são diferentes da Prova Escrita? Como devem ser as respostas na Oral?ArtigosProva OralSimulados
  • Dicas importantes ao concurseiro à Prova de Tribuna para Promotor de Justiça Prova de Tribuna Ministério PúblicoArtigosProva OralSimulados
  • Exame Psicotécnico e Entrevista – Perguntas de Entrevista. Orientação psicológica - Psicotécnico à concursos jurídicosArtigos
  • Prova Oral, Prova de Tribuna e ENTREVISTA para Promotor de Justiça Qual a importância do Simulado na preparação à Prova Oral, Prova de Tribuna e na Entrevista no Concurso ao MP?ArtigosProva OralSimulados
  • Técnicas Concurso Prova Oral Curso Simulado de Prova Oral às áreas jurídicasArtigosProva OralSimulados
  • Curso Telepresencial- Prova Oral para Ministério Público e Magistratura Curso à Distância para Prova Oral via Skype - Acácio GarciaArtigosProva OralSimulados
  • Tema para Prova de Tribuna do MP LIMITES ÉTICOS NA PERSUASÃO DOS JURADOS - Prova de TribunaArtigosProva OralSimulados

produtos

adquira agora seu livro e dvd!
clique aqui

artigos

Parabéns a todos os candidatos aptos a realizarem a Prova Oral! Você já é um motivo de orgulho, só por ter chegado a essa etapa do Certame! Lembre-se: eram milhares de candidatos na Prova Preambular e você, com mais 140 (cento e quarenta) colegas estão na Oral! Você, candidato, vem de uma longa maratona náutica, saiu de alto-mar (prova preambular), percorreu vários quilômetros (Provas Escritas) e já está próximo à praia Prova Oral, Entrevista e Psicotécnico).  Você está Ótimo! E não vai querer morrer na Praia? - Não é verdade? Ser reprovado na Oral dói, e como dói! São apenas 67 vagas! E o MP/SP, dificilmente, aprovará mais de 79 candidatos! Não conseguir aprovação, significa: começar tudo de novo! e competir na Prova preambular com milhares de novos candidatos super afiados, não é fácil. A Oral é totalmente diferente das demais provas que antecederam como: objetiva e discursiva, aonde você tinha tempo para pensar e corrigir as imperfeições posteriormente. Na Oral, o Examinador fará uma pergunta e você terá um segundo para organizar o conceito e responder com calma e clareza. E, como você sabe, é normal ficar muito nervoso antes e durante uma Apresentação em Público, principalmente, se esse público for composto de examinadores com muita experiência em sua disciplina.    Sabe por que você fica com os nervos à Flor da Pele? – Trata-se do maior MEDO da humanidade. O medo de Falar em Público!  - Numa pesquisa norte-americana, esse medo ficou em primeiro lugar, enquanto o medo da Morte ficou em 6º Lugar! Na Oral esse medo triplica se por exemplo uma pergunta tratar de um tema que você nunca ouviu falar na vida.  Exemplo: “Candidato, o que vem a ser uma Ação EDILÍCIA? Ou, Do que trata a Ação NOXAL”? -   Pronto! Lá se foi todo um sonho pelos ralos!   -  Claro que existem técnicas para superar essas turbulências jurídicas e de oratória. Num caso como esse aonde toda adrenalina é acionada pela glândula suprarrenal, faz com que seu cérebro fique confuso, sua face ficará vermelha, aparecerá a gagueira emocional, sua voz ficará fraca e a taquicardia acelerará o seu coração. Num caso como o citado: “Aperte uma mão à outra, sentindo os pés no chão, inspire pelas narinas, como se estivesse cheirando uma rosa; em seguida solte o ar pela boca, como se estivesse assoprando uma vela”. Tudo isso, só para acalmar e usar a seguinte técnica: “Excelência, a matéria foi estudada, mas no momento não estou me recordando dessa terminologia. Haveria um sinônimo?"  ou - "Vossa Excelência poderia me dar uma diretriz?” – Certamente, ele examinador vai lhe dizer: “O Candidato saberia dizer o que vem a ser uma ação de “Perdas e Danos”? – E você vai responder: "Sim Excelência!" – e ele vai complementar: “Candidato, é sinônimo de Ação Noxal!” – Já no que tange as Ações Edilícias, são o conjunto das Ações: “Vício redibitório, Ex-Empto e Quantum minoris”.  Em outra palavras: A Banca às vezes, que ver como você se comporta perante uma pergunta diferente daquelas que você estava acostumado no dia a dia. E, quando você usa uma técnica como essa, interage com a Banca e passa uma boa impressão, como se fosse, um Promotor de Justiça Substituto, no dia a dia, lá na Comarca. Por sua vez, caro candidato, dependendo o seu temperamento, um fato negativo na construção de uma resposta ao examinador, poderá lhe perturbar durante todas as outras perguntas dos demais componentes da augusta Banca, prejudicando a performance da Oral Por favor, não pague para ver uma situação como essa acontecer! Estude o máximo que puder! E conheça as técnicas da Prova Oral, para usá-las se for necessário em ocasiões de “saias-justas”. Nos dias 3 e 4 de março de 2018, será ministrado um Curso Preparatório à Prova Oral do MP/SP, no Century Paulista, Paraíso, São Paulo. Inicia às 8 horas e termina às 19h. A média de Aprovação dos nossos alunos na Prova Oral é de 99%. Vamos tratar do famoso tripé:

  1. Oratória
  2. Equilíbrio emocional
  3. Simulados de Oral
Na Oratória:
  • Voz, Dicção, Respiração, Alternância e uso correto do vernáculo;
  • Gestos e Postura;
  • Como responder a resposta completa;
  • Técnicas para eliminar os vícios repetitivos: “Né, tá, daí, certo, etc.”
  • Treinamento para eliminar: nervosismo, vermelhidão, “branco”, sudorese e gagueira emocional;
  • Como proceder quando houver perguntas hostis ou perguntas que você nunca ouviu falar.
  • Uso correto do microfone.
 
  1. No Equilíbrio emocional:
  • Como buscar a calma para o cérebro;
  • Apoio psicológico e psicotécnico;
  • Como trabalhar as emoções.
 
  1. Simulados jurídicos de Oral
  • Serão feitos 6 simulados sobre todas as disciplinas para cada participante.
  • As Apresentações serão filmadas e corrigidas as imperfeições.
  • Haverá um repasse de aproximadamente 2.000 perguntas, com as devidas respostas.
  Observação: A Turma terá no máximo: 12 participantes, em razão das diversas dinâmicas. As Inscrições estão abertas!   Pelos telefones: (48) 99914 3689 – 3225 2337 ou pelo site: www.provaOral.com.br   ou   e-mail: contato@AcacioGarcia.com.br Cada Participante receberá:
  1. Livro: Como Passar na Prova Oral
  2. Livro: Prova Oral - 3.500 Perguntas fundamentadas
  3. Pendrive das gravações dos seus simulados
  4. Pasta com material didático
  5. Certificado registrado pela Secretaria de Educação e Cultura: Port./SC  450/95
  6. Após o Curso terá um acompanhamento via Skype até a Prova Oral
Caso haja muita procura,  superior as 12 vagas, abriremos novas Turmas! Encerro desejando a todos uma excelente Prova Oral e nesses 26 anos de experiência ministrando Curso à Oral do MP/SP, aconselho que treinem, treinem e treinem! Especialmente, participando de um Curso Prático e presencial. Um Grande Abraço! Prof. Acácio Garcia
  • Professor de Oratória
  • Professor de Prova Oral ao MP/SP há mais de 26 anos
  • Palestrante Motivacional por todo país
  • Especialização em Neuro psicologia
  • Especialização em Psico-pedagogia
  • Procurador Federal
  • Escola Superior da Magistratura
Autor de 11 Livros entre eles:
  • Como Passar na Prova Oral às Carreiras Jurídicas
  • Prova Oral - 3.500 Perguntas com respostas fundamentadas
  • Oratória: A boa comunicação no dia a dia
  • Vença a timidez de falar em público
  • Como falar em público com naturalidade e entusiasmo
  • Falando em público com autoestima
  • Fuja do estresse e da depressão! Relaxe com autoestima
  • A Força do elogio par atingir às metas

veja

Curso Preparatório para promotor de Justiça ao MP/MG - Prova Oral
Prova Oral MPMG
 
 
Curso Simulado dias 14 e 15 e 10 de outubro 2017 (Sábado e Domingo) com Prof. Acácio Garcia - Hotel  Av. Afonso Pena Será um GRANDE REPASSE JURÍDICO - Reta Final , além das técnicas de Oratória e de Equilíbrio Emocional e especialmente, de RELAXAMENTO, preparatório para a Oral! Turma pequena ! (Máximo 12)
INSCRIÇÕES: (48) 99914 3689 - 3225 2337 ou pelo site: www.ProvaOral.com.br ou Contato@AcacioGarcia.com.br Obs. Favor levar o "Vade Mecum" Programação: 1. ORATÓRIA - (Voz, Dicção, Impostação e Respiração Correta - Gestos e Postura - Naturalidade - Interação com a Banca Examinadora) 2. PSICOLÓGICO - (Calma, Equilíbrio Emocional, Técnicas para eliminar: Gagueira, Vermelhidão, "branco", sudorese e Taquicardia - Como agir se houver hostilidade pela Banca) 3. SIMULADOS JURÍDICOS - (Serão 6 Simulados sobre todas as disciplinas para cada participante , nos moldes da Oral do MP/MG - Serão repassados aproximadamente 1.680 perguntas com respostas fundamentadas) 4. Dicas sobre etiqueta, Vestimentas para a Prova, Cabelo e ornamentos. e falaremos s/ a ENTREVISTA e o PSICOTÉCNICO) Até lá!  Iniciaremos as 8 horas e vamos até as 19h! Obs.: Você irá receber: 1. Livro: COMO PASSAR NA PROVA ORAL 2. Livro: PROVA ORAL - 3.500 Perguntas com Respostas fundamentadas sobre 20 disciplinas. 3. Pendrive das Gravações corrigidas 4. Certificado registrado do Curso Preparatório para Oral do MPMG. Acácio Garcia - * 26 anos de experiência em Provas Orais pelo Brasil * Procurador Federal * Mestre em Oratória * Formado pela ESMESC - Escola Superior da Magistratura de SC * Especializações em Neuro Psicologia e Psicopedagogia * Palestrante Motivacional Internacional * Terapeuta PNL para Concurseiros
Prova Oral
provaoral.com.br

veja

Prova Oral MP/PR para Promotor de Justiça Substituto do Paraná Agende-se para a Reta Final da Prova Oral ! Um Grande Repasse Jurídico com técnicas de Oratória e de Equilíbrio Emocional, com o Prof. Dr. Acácio Garcia , em Curitiba - Dias 7 e 8 de outubro.   (Sábado e Domingo) Cada Participante passará por 6 a 7 Simulados !!! Turmas Pequenas! máximo 12 Candidatos!   Inscrições: Contato@ProvaOral.com.br   ou www.ProvaOral.com.br  - (48) 99914   - 3689 Parabéns a todos os APROVADOS nas Provas escritas, rumo à Prova Oral ! De todas as Provas do Certame ao MP/PR, a Prova Oral é aquela que exige muita técnica e preparação. Por quê? Porque durante todo o período da Faculdade, aprendemos a ler, ouvir e escrever. Não nos ensinam a falar em público a transmitir os nossos conhecimentos. Daí,  ocorre o nervosismo, a ansiedade, a gagueira emocional, o vermelhidão e o famoso “branco”.   Estamos diante do maior medo da humanidade: O medo de Falar em Público! Numa pesquisa norte americana esse medo ficou em primeiro lugar, enquanto o medo da morte ficou em sexto lugar! Por essa razão, seguem Algumas Dicas importantes para a ORAL:

  1. Calma, tranquilidade e equilíbrio emocional são 70% para a APROVAÇÃO;
  2. A boa respiração diafragmática para se obter uma voz alternada, firme e clara;
  3. Gestos e Postura naturais;
  4. Uso correto do vernáculo;
  5. Interagir com a Banca Examinadora seguindo uma linha de raciocínio correta;
  6. Respostas completas! – evitando as monossilábicas e os longos “chutes”;
  7. Dominar muito bem as disciplinas do Edital.
  8. Ensaiar e treinar a oralidade persistentemente através de SIMULADOS gravados, assistidos e corrigidos!
O IMCEV – Instituto especialista em Provas Orais, através dos Professores Acácio Garcia e Daniel Piccoli Garcia, ministrará dia 2 e 3 de setembro, um Curso Preparatório à Oral do MP/PR (Promotor de Justiça Substituto), Focando nas dicas citadas. Nas últimas Provas Orais do MP/PR, todos nossos ex-alunos, agora Promotores de Justiça, elogiaram muito o Curso! Sinta-se Convidado a participar ativamente desse treinamento presencial! INSCRIÇÕES: (48) 99914 3689  -  contato@AcacioGarcia.com.br  - www.ProvaOral.com.br Obs.: Caso não seja possível o curso presencial, em razão da distância, atendemos através do SKYPE. Boa Sorte em sua Prova Oral! Acácio Garcia
  • Professor de Prova Oral e de Oratória às carreiras jurídicas
  • Procurador Federal -  Escola Superior da Magistratura de SC
  • Palestrante Motivacional e Terapeuta PNL
  • Especializações em: Neuro Psicologia e Psicopedagogia
  • Autor de 10 livros, entre eles: Como Passar na Prova Oral; 2. Prova Oral – 3.500 Perguntas com respostas fundamentadas; 3. Como Falar em Público com Naturalidade; 4. A Boa Comunicação no dia a dia; 5. Falando em Público com autoestima; Fuja do Estresse e da Depressão! Relaxe com autoestima. 6. Fuja das pessoas negativas! e afaste-se dos fatos negativistas.

veja
  • PROVA ORAL – MP/SP – Promotor de Justiça Substituto...
  • Curso Preparatório Simulado para Promotor de Justiça do MP/MG em Belo Horizonte...
  • MP/PR – Prova Oral – Curso Preparatório para Promotor de Justiça Substituto...

Veja todos os artigos >

Newsletter

dicas importantes do acácio!

Lembre-se praticar o relaxamento e divirta-se também. O divertimento é o biotônico dos neurônios. O excesso de adrenalina, preocupação e nervosi...

VEJA TODAS AS DICAS >